terça-feira, 19 de maio de 2009

Arma de Caça

Se eu fosse jovem, eu fugiria desta cidade, eu esconderia meus sonhos debaixo da terra. Assim como eu, nós bebemos à morte.

E ele rompe através do silêncio do nosso acampamento à noite. E ele rompe através do silêncio, tudo o que resta é tudo o que eu escondi.

Elephant Gun - Beirut

Não vai dar tudo certo no final, nunca deu e não vai começar a acontecer agora. Chegou a hora de colocar isso na minha cabeça, agora mais do que nunca, se eu não correr atrás as coisas NÃO vão acontecer. Perder algumas coisas para ganhar outras, é o que eu preciso fazer. Esquecer a história do destino, que está tudo escrito. Não está tudo escrito, você escreve, cada vez que você levanta do sofá, está colocando mais uma letra nesta folha de papel, assim como cada vez que você NÃO levanta desse mesmo sofá você coloca mais um ponto, seja ele final ou com vírgula, você pode mudar seu futuro se você quiser, mas não adianta só querer, temos que agir. Agir para não deixar tudo como está, agir para não inspirar sua vida numa fútil série de TV para adolescentes.

Você pode deitar e dormir, se quiser.

Eu, definitivamente, não vou mais fazê-lo.

4 comentários:

K. disse...

me inspirou :)

Otavio disse...

Depende o que é "dar certo no final"
Logo que as vezes fugimos do nosso início, não tendo um final certo :)

Café, Jornal e Poesia. disse...

Hum, muito bom!

Madruga Tripper disse...

Curti. Eu realmente penso em algo do tipo toda vez que dá sono em alguma aula. (Mas nem sempre adianta haha)

E ah, é legal descobrir pessoas que lêem lá. Valeu (:. Você nunca tinha comentado mesmo. Aliás, você conhece o Otávio? Porque eu curto bastante os textos dele, mas ele nunca respondeu nenhuma forma de contato que eu tentei deixar! E agora quando ouço 42 lembro de você. beijo!